terça-feira, novembro 13, 2007

A Antipática


Foi-me chamada à atenção muito recentemente, que é como quem diz ontem, que sou antipática… Tenho este arzinho snob, ainda por cima com narizinho empinado, culpa dos paizinhos, apesar de nenhum deles ter o nariz assim snobista, a algum lado tiveram de ir buscar os genes e espero bem (pelo menos assim me fazem crer desde sempre) que tenha sido um ao outro!
Antipática… eu… nunca me tinha ocorrido pensar nisso, mas a introspecção a que costumo ser dada tende a focar-se mais nas qualidades e pouco ou nada nos defeitos… se calhar ‘tá mal… Não fosse esta mania de ser alta e espadaúda e até podia passar despercebida e, no mínimo, ninguém opinava sobre a minha pessoa.
Mas depois até trabalho em meios pequenos, todos se conhecem de vista (atenção, de vista!), e às tantas a gente até cumprimenta as pessoas, cruzamo-nos todos os dias, e eu que até pensava que era simpática digo prós meus botões (sim, eu falo sozinha…não me orgulho, mas admito!) “ok, não os conheço a não ser de vista, mas encontramo-nos quase todos os dias, deixa-me lá ser simpática e afável e cumprimentar as pessoas, até tenho um sorriso fácil, e costuma-se dizer que o sorriso pega-se, e quem sabe não estamos a contribuir para melhorar o dia de alguém!” Acontece que podes sorrir e cumprimentar o mundo inteiro, mas isso não chega para te considerarem simpática; quanto muito serve para que passes de muito antipática a só antipática, e continuam a achar que não falas a ninguém… Ora aqui tenho de pedir uma definição de falar! Abrir a boca e fazer sair sons articulados que se assemelhem a um “olá bom dia” não é falar a ninguém, aparentemente. Tem a sua lógica… não paro para perguntar pela saúde, tempo, família a amigos, indagar o sucesso profissional, frustrações pessoais, e eu sei lá o quê mais! E se calhar é por não saber isto que sou antipática. Personal skills: zero, pois então!
Foi-me também dado a entender que se deve oferecer algo em abono da simpatia… Aconselharam-me a oferecer fruta. Fruta toda a gente gosta. E cai bem a qualquer altura do dia. “Olá, bom dia, como estás, tudo bem? Posso oferecer-te fruta?” Mas isto é um tanto ou quanto dúbio em relação ao conceito de fruta… fruta no sentido literal, uma maçã, pêra, laranja, morangos? Ou fruta no sentido metafórico, e nem preciso aludir minimamente à metáfora, que todos sabemos bem ao que se refere!? (e saliento o que descobri em relação ao pêssego…caramba!) Até caía mal, não conheço as pessoas de lado nenhum, sou antipática com o meu bom dia e ainda ofereço a fruta!!! Antipática e oferecida, olhá miúda se acha que vale alguma coisa!!!

6 comentários:

Matchbox30 disse...

Por acaso, não és nada antipática... acho-te até, extremamente simpática! A sério.

Nuno Lajoso disse...

Sabes... há muita inveja e dor de cotovelo espalhada por esse mundo fora.
Sabes quem és e como és, e quem te conhece sabe-o também.
Não mates a tua cabeça com isso.
São só mais pedras para erguer o castelo.
Beijinho

barrigagolfinho disse...

A Antipática ou então: táctica nº 353 de 1954. É como vem catalogada! :p beijo

Montenegro disse...

Em tempos (escrevendo assim até parece que foi há décadas) conheci um gajo que tinha uma teoria no mínimo “engraçada”. Segundo ele, as mulheres que interessam (ou que vale a pena conhecer) dividem-se em dois grupos: as bonitas e as simpáticas. Acho que toda a gente que vem aqui concorda comigo quando digo que pertences sem duvida aos dois grupos.

Já te disse no outro dia para não pensares mais nisso, que não vale a pena. As pessoas (e as coisas todas, já agora) só têm a importância que lhes damos, e sinceramente, parece-me que estás a dar demasiada importância a esse episódio lastimável. ;)


Alguns meses depois, quando esse mesmo gajo andava na mó de baixo, criou outra teoria sobre as mulheres em geral, mas dessa é melhor nem falar aqui. :P

Bjs.

Vanadis disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Tânia Pereira disse...

Parece que todos aqui querem que esqueças o assunto. Eu não! Até escreveste sobre isso e tudo. Olha que boa reciclagem...analisaste e escreveste acerca do que te confunde nos outros e não é assim que se diz que crescemos? Não é a finjir que não aconteceu e muito mneos a passar por cima do acontecido como se não nos tivesse tocao!
Olha que ser considerada até traz as suas vantagens!
Depois há truques para usar a suposta antipatia só quando é preciso!
Depois de chegares a alguma conclusão, aí sim...esquece isto!
Bjoca p'a menina mulher bonita e simpática (para quem a conhece e isso merece!)